Cordão do Peixe-Boi 2010

O 8º Cordão do Peixe-Boi é uma ação educativa e artística de mobilidade sociocultural e ambiental, que visa à valorização e o fortalecimento da cultura popular, da solidariedade e da consciência ecológica.

Texto extraído do site do Arraial do Pavulagem

Barricas d’água, matracas, reco-reco, maracas, onças, alfaias e marabaixos eram os instrumentos que tínhamos à disposição na oficina de percussão promovida pelo Instituto Arraial do Pavulagem, que neste ano completa 23 anos. Capitaneados por Seu Rafel, nos revezávamos entre os instrumentos desde o dia 14 de Janeiro. E para ficar melhor ainda, tínhamos aula de canto e dança com a galera da oficina de dança, que descia do primeiro andar da Unafisco para cantar conosco. Tocava desde carimbó, retumbão, samba de cacete, cantos indígenas e outros ritmos. Tinha que sair tudo beleza no dia do Cordão do Peixe-Boi. O tempo passava depressa demais.

A rotina cansativa do dia-a-dia de trabalho e estudo para a maioria das pessoas que íam aos ensaios acabava quando começava o barulho dos instrumentos. Era uma “doidera que só” no início, parecia o episódio da banda do Chaves =p. No final da oficina veio a notícia de que nem sempre o instrumento gosta de ti :(. Alguns, como eu, tentaram o famigerado teste da barrica. Maior pressão no dia em frente à todo mundo. Errei tudo na hora (hauhauhua) mas pelos menos tentei. No final das contas é a pura verdade, o reco-reco me escolheu :).

chapéu

Passamos para os ensaios gerais no CENTUR, agora era valendo, já faziamos parte do Batalhão! O desafio da vez era cantar e tocar o instrumento ao mesmo tempo. No domingo anterior ao cortejo fomos presenteados com um show do Arraial do Pavulagem, os caras tocam MUITO. Ver o pessoal cantando e dançando, me lembrava do tempo de festa junina. Ê tempo “bão”!

Toca, canta e dança era nossa rotina motivada sempre pelo Seu Rafael, uma figura. Eis que chega o dia do cortejo, na concentração a empolgação era visível na face de cada integrante do Batalhão. A galera do reco era só farra, foi muito bom conhecer essa moçada. O cortejo seguiu arrastando o povo pela Av. Castilho França até a Praça do Carmo, onde finalizamos com a Roda Ancestral cantando músicas indígenas e carimbo à vontade. Show a parte foi do Arraial do Pavulagem. Já deixou saudades.

Depois de 4 anos de muita ralação em uma graduação de computação, estudando na maioria das vezes aos domingos, naquela pressão de entregar trabalhos acadêmicos, fora o trabalho de 8 horas por dia, ê lasqueira. Decidi este ano, conhecer melhor nossa cultura que fascina tantos turistas e que muitos de nós não conhece.

Aprendi coisas importantes com as oficinas. Se não tivermos estas manifestações, o que restará para nossos filhos e netos? Se não tentarmos preservar nossa flora e fauna creio que só restará pesquisar fotos em bibliotecas ou pela internet. A questão do consumo excessivo de álcool nas manifestações populares que prejudica a realização futura destes eventos. O símbolo do cortejo é um animal que está em risco de extinção. A responsabilidade que devemos ter com o lixo que produzimos. Durante o cortejo não jogávamos as embalagens de água/refrigerante no chão, haviam pessoas do Batalhão recolhendo o lixo para causar o mínimo de impacto ambiental por onde passávamos. O consumo de bebida alcoólica é proibido para os componentes do Batalhão durante o cortejo.

chape_fitasNossa boa música está se perdendo para refrões de péssima qualidade, que estimulam crianças e jovens à violência, drogas e sexo precoce. Cantávamos músicas como: “Meu Batalhão saiu na rua, mostrando a sua beleza. Ele veio pedir pro povo a preservação da natureza…”, “Quando chego na barreira vejo pássaros cantando…”. Quando você for ver o cortejo, procure entender a letra das músicas, todas têm uma mensagem a passar.

Em Maio começará as oficinas para o Arrastão Junino. Se Deus quiser estarei lá!

Compartilhei algumas fotos e vídeos.

Para ficar informado sobre os eventos do Arraial, acessem o site deles e acompanhem o twitter também. E quem puder colaborar para a reforma da nova sede do Instituto, que fica na Av. Castilho França 738, entre em contato com eles.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s