Por que estudar agile?

Programar para muitos é um “saco”, tarefa para monges budistas. Talvez por culpa de seus professores que empurraram garganta abaixo linguagens e metodologias que os fizeram criar uma repulsa sobre o assunto, ou pelo fato de acharem uma função para cdf’s, pelo contrário existem muitos desenvolvedores que são ditos “normais” e alguns que não são da área de computação e exerce a função pelo prazer de solucionar problemas, superar desafios, exercitar a lógica. Assim como a matemática, a lógica faz parte do nosso cotidiano. Utilizamos “if’s” para analisar um sinal de trânsito e avaliar se devemos atravessar a faixa ou não, “switch case’s” para escolher a refeição de um cardápio, “loop’s” para aproveitar uma festa: comendo, bebendo, dançando enquanto não estiver cansado e tantos outros comandos e operadores lógicos.

A academia nos dá a base para um futuro promissor, mas não é bom acreditar em tudo o que dizem. Questione, duvide, pergunte, pesquise, não se conforme. Falando especificamente de Engenharia de Software, para uma empresa de médio/grande porte é importante uma boa documentação de um sistema, mas será que é preciso documentar de forma demasiada? Será que o cliente ficará satisfeito com um calhamaço de páginas repleto de diagramas, tabelas, cronogramas ou o sistema funcionando? Será que é melhor entregar um sistema “robusto”, “estável” e “completo” no final do projeto e ver que boa parte do que o cliente pediu não foi implementado como ele queria, mas pelo menos as cores das telas estão combinando?

O Manifesto Ágil, criado em 2001 por especialistas em processos de desenvolvimento de software, possui quatro preceitos:

  • Indivíduos e interações em vez de processos e ferramentas;
  • Software executável em vez de documentação;
  • Colaboração do cliente ao invés de negociação de contratos;
  • Respostas rápidas a mudanças em vez de seguir planos.

Cito um exemplo prático: Imagine você pedir para construir sua casa e só vê-la após a obra ter sido concluída. Poderá encontrar surpresas desagradáveis, heim?

Aprenda sobre os métodos tradicionais como: CMMI, PMBOK, RUP, MPS.BR e depois sobre desenvolvimento ágil, para começar formar opinião. Com o tempo se acostumará com terminologias como: Modelagem Ágil, SCRUM, XP, FDD, Lean, Coaching, Sprint Backlog e muitas outras. Você pode se perguntar: Caracas, mais siglas para aprender? Então é melhor rever se você está na área correta. Nunca é tarde para mudar.

Em nossa área, as coisas mudam constantemente. A programação estruturada deu lugar para a orientada a objetos. Sistemas web-based estão tomando o lugar de aplicações desktop. Novas linguagens de programação surgem mais enxutas, rápidas, flexíveis, dinâmicas e adaptáveis. Sistemas de banco de dados são realmente banco de dados e não apenas arquivos de tabelas de dados que não se relacionam.

Por isso, faça o que você gosta e não pare no tempo, porque o tempo não para, já disse o poeta Cazuza.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s