Cafofo do Sanches

Escritos, códigos e algo mais

Os Rios por onde andei

with 5 comments

Foram seis meses de muito trabalho e momentos de lazer

Guarda-se as lembranças e aguarda-se novas andanças

Um salve aos amigos que fiz e aos lugares que conheci

Não citarei nomes pois cada um, que está em alguma foto, sabe da importância que teve e só tenho que agradecer por cada dia

E na linha da poesia de boteco, segue meu singelo relato

Conheci o Rio da zona sul

Do trabalho e do metrô lotado

Da aceleração e da ambição

Do negócio e do ócio

Do nordestino e do severino

Do corpo sarado e do idoso isolado

Da novela e da favela

Da igreja e da cerveja

Da comunidade e da humildade

Da perua e do menino de rua

Do cartão postal e do valor surreal

Do carnaval, do correto e do imoral

Da Lapa da badalação e Copacabana da prostituição

Da copa e da coca

Do pedal, da areia e do sal

Da Barra, da Reserva, da Prainha e Guaratiba

Do pão e do açúcar

Do redentor e do amor

Da qualidade de vida, do caminhar nas trilhas

 

Conheci o Rio da zona norte

A do reza forte

Do trem e do “ô nem”

Do samba e do funk de gente bamba

Do complexo do alemão, meu irmão

Das tradições nordestinas, vulgarmente chamada de “paraíbas”

Da Universidade Rural, lugar como esse não tem igual

Tive a oportunidade de mostrar os rios paraenses para quem veio do Rio

Agora entendo um pouco porque o Rio é o retrato do Brasil

Se Deus é brasileiro eu não sei, só sei que ele trabalhou legal por lá

Written by Luiz Sanches

agosto 20, 2014 at 11:00 pm

Publicado em pessoal

Traços e Letras – Pedalo

with one comment

pedalo

Pedalo

Pra ir ao trabalho

Pra fugir da rotina

Pra ver o trânsito parado

Pra ver a menina bonita

.

Pro sol queimar a pele

Pra sentir a brisa do mar

Pra me sentir mais leve

Pro calor, o vento aliviar

.

Volto à luz da lua

Contemplando a paisagem

Vejo o vazio da rua

É mais um dia, só de passagem

A seção “Traços e Letras” nasceu da vontade dos fulanos abaixo, que largaram quase tudo para acelerar suas vidas em outra cidade. E em suas caminhadas e pedaladas pela cidade maravilhosa, tiveram a ideia de registrar o cotidiano com seus traços e letras. Esperamos que gostem.

João Marcelo (Imagem) e Luiz Sanches (Letras)

João Marcelo (Traços) e Luiz Sanches (Letras)

Written by Luiz Sanches

março 20, 2014 at 3:40 pm

Publicado em poemas

Tagged with

Quebre as regras

with 3 comments

quebre as regras

Um livro relativamente pequeno mas com grandes ensinamentos.

Olá, pessoal. Vou tentar ser breve neste pequeno relato.

Não poderia deixar de falar do Tá safo! que é uma constante em minha vida. Essa comunidade me impulsiona a aprender, ensinar e pensar fora da caixa cada vez mais. O livro acima fala muito sobre “Começar” e é o que sempre fazemos, tentamos tirar as pessoas da sua zona de conforto.

Ano passado, senti um pouco do gosto de trabalhar com cinema participando da equipe de produção nas gravações de curtas metragens e documentários com profissionais e estudantes de audiovisual. Coisa de doido não? A experiência foi de destampar a cabeça, sem contar as pessoas fantásticas que conheci.

cinema

Galera no Núcleo de Produção Audiovisual – NUPA

Em setembro de 2013, decidi largar quase dois anos de trabalho remoto, o último pela Ebeji. Home office fulltime e morando longe do centro de Belém foi me matando aos poucos. Um termo que usávamos bastante era: “Copa/cozinha de home office é o skype”. Valeu pra caramba o aprendizado. A foto abaixo foi um momento inusitado, onde a equipe virtual se reuniu presencialmente para trabalhar e passear por Belém.

ebeji

Paulo Moura, Geraldo Sequeira, eu e Billy Blay

Pois bem, formalizei a Nômade Tecnologia e comecei a prestar serviço para a Onsee. Pude conhecer um pouco mais de uma empresa paraense que respira inovação e desprende seus colaboradores de todas as amarras do mundo corporativo tradicional. Lá não tem sexta-feira casual, pode-se ir de bermuda e chinelo em qualquer dia. O pessoal não é cobrado por hora e sim por produtividade. O time possui autonomia para implementar o que há de mais moderno em tecnologia da informação. Não tem ninguém perguntando quantos porcento estão prontos de tal funcionalidade, pois está tudo lá no quadro físico de tarefas para qualquer um ver o andamento do projeto. O que aprendi na Onsee foi equilibrar flexibilidade e responsabilidade.

onsee

Apolônio e eu na Onsee batendo cabeça

Em dezembro, tive a oportunidade de voltar à sala de aula pela Pós graduação em Engenharia de Software do IESAM, onde reencontrei amigos dos tempos de graduação e vários que conheci pelo Tá safo!. Falei sobre tecnologias que venho trabalhando nos últimos tempos, como o framework para desenvolvimento de sistemas web Ruby on Rails e, na medida do possível, aprontando altas confusões com um turminha do barulho.

pos-iesam

Turma, muito doida, da Pós do IESAM

Ainda em setembro, alguns amigos me incentivaram a conhecer a famigerada prova do Poscomp. Até que não fui tão “burico” assim e passei arrastado, abrindo uma oportunidade para realizar o mestrado. Correria para atualizar o empoeirado Lattes e trocentos documentos. Fiz a inscrição na UFPA, passando na 1ª etapa da análise de documentação,

Voltando para dezembro, comecei a alternar meu tempo para prestar serviço de consultoria na Jambu Tecnologia, que está construindo um excelente case de aderência ao nível G do MPS.BR com métodos ágeis. Já faz bastante tempo que o Fábio Aguiar deu início na implementação de métodos ágeis na empresa. Iria complementar o trabalho implementando Engenharia de Software Ágil para o time da empresa, mostrando técnicas de Programação Extrema com o framework web Grails, um excelente desafio e aprendizado.

jambu

Time da Jambu Tecnologia

2014 estava prometendo hein? Só que em novembro eu comprei o livro que dá título a este post. Minha cabeça já estava tomada por frases de Seth Godin. E ainda nos “quaraquaquá” para terminar 2013, fui contactado pelo pessoal do Saldo Coletivo para conversar sobre uma proposta tentadora. E logo no início de 2014, em uma reunião de quatro horas tive que decidir em seguir o plano que tracei para 2014 ou apertar o botão reset e recomeçar (mais uma vez) 2014 em um time novo, cargo novo, em uma nova cidade e a possibilidade de acelerar o aprendizado na área de negócios. As frases de Seth Godin latejavam a todo instante. Meu espírito nômade que estava meio “momózento” despertou e decidi optar por embarcar nessa nova empreitada. Não é fácil se desligar tão rápido de compromissos já firmados, mas agir com transparência faz com que a dor sare mais rápido. Agradeço pela compreensão de todos com quem pude conversar.

equipe saldo coletivo

Bruno Santos, eu e João Abreu

Era isso. E para quem não prestou atenção na capa do livro, finalizo com a seguinte frase:

Qual foi a última vez que você fez algo pela primeira vez?

Written by Luiz Sanches

janeiro 21, 2014 at 2:38 pm

Publicado em pessoal

Tagged with , ,

Toda família

leave a comment »

simpsons-family

Toda família que tem café, almoço e janta, às vezes reclama. Mas tem muita família que deita de bucho vazio em sua cama.

Há famílias que tem pai, mãe e filhos vivendo bem. Mas em algumas famílias, nem vovô ou vovó ela tem.

Toda família tem briga, inveja, ciúme e intriga. Mas tem muita gente no mundo que nem tem família.

Algumas famílias têm filho que não tem pai e gente que ficou pra titio ou titia. Não existe família perfeita e, se fosse fácil, qualquer um a escolhia.

Toda família tem um menino que namora uma menina. Mas hoje em dia, também tem famílias com meninos que namoram meninos e meninas que namoram meninas.

Tem gente que tem vergonha de sua família. Dá pena ver uma pessoa sozinha em sua própria ilha.

Em algumas famílias tem gente que bebe, que fuma e até cheira. É triste ver uma família refém de uma grande besteira.

Existem famílias com gente que tá longe e tá perto ao mesmo tempo. Mas em outras, tem gente que tá perto e bem longe, isso que não entendo.

Toda família precisa de carinho, de beijo e de abraço. A família que não pratica isso, está fadada ao fracasso.

Toda família tem uma casa, algumas completas, algumas vazias. Mas nunca se esqueça que a casa de cada pessoa é a sua família.

Written by Luiz Sanches

dezembro 31, 2013 at 1:52 pm

Publicado em poemas

Tagged with

Pra te ver, Belém

with one comment

Fico te olhando de longe.
A distância não deixa lhe ter.
Percebo a beleza que você esconde.
E não consigo te esquecer.

A chuva que cai e derruba a manga.
Também leva o lixo jogado no chão.
Seria demais pedir um pouco de consciência.
Pra esse povo sem noção.

Como pode uma cidade tão rica.
Possuir gente a te ignorar.
Aqui, do outro lado, não tem praça bonita.
Só gente simples que insiste em se alegrar.

No centro tem shopping, cinema, boate
e até guarda na guarita.
Aqui, moço, tem morte, assalto, estupro
e muita gente esquecida.

Invejo os ribeiros que fazem dos rios, suas ruas.
De seus quintais, suas feiras.
Aqui, quando vem a chuva, crianças se banham nuas.
Esquecendo a miséria, em suas brincadeiras faceiras.

Não tenho mágoa de ti, morena.
Pois por ti, morro de amor.
São apenas palavras guardadas no peito.
De um pernambucano que você adotou.

Por Luiz Sanches

Written by Luiz Sanches

janeiro 12, 2013 at 12:02 pm

Publicado em pessoal

Mais humano que exato

leave a comment »

Foi uma semana bem corrida, mas que valeu muito a pena!

Dia 7 de agosto, fiz um Lightning Talk de 10 minutos no Agilidade na Prática, em Recife. Muito bom rever o pessoal.

Dia 10 de agosto já estava de volta a Belém para falar do mesmo assunto com um pouco mais de tempo no Café Ágil. Muito bom conhecer mais pessoas com alto grau de conhecimento e papo agradável.

Slides da palestra que foi incrementada a partir da LT do Agilidade na Prática.

Written by Luiz Sanches

agosto 15, 2012 at 1:45 pm

Publicado em eventos

Tagged with , , ,

git melodies

with one comment

Eu quero pu
Eu quero sha
Eu quero pu sha sha pu pu sha
Pu sha sha pu pu sha

(Git Sertanejo)

Jammo, jammo
‘Ncoppa jammo ja’
Jammo, jammo
‘Ncoppa jammo ja’
Commit aqui, commit lá
Commit aqui, commit lá
‘Ncoppa jammo ja’
Commit aqui, commit lá

(Git Pavarotti)

Vamo pullá, vamo pullá, vamo pullá, vamo pullá
Vamo pullá, vamo pullá, vamo pullá, vamo pullá
Vamo pullá, vamo pullá, vamo pullá, vamo pullá
Vamo pullá, vamo pullá, vamo pullá, vamo pullá

(Sangit e Junior)

…Há tanta vida lá fora
Aqui dentro sempre
Clone uma onda no mar
Clone uma onda no mar
Clone uma onda no mar

(Git Santos)

Log, log, assim que puder, vou telefonar
Por enquanto tá doendo
E quando a saudade, quiser me deixar cantar
Vão saber que andei sofrendo

(Jorgit Aragão)

Status e cofres e paredes pintadas
Ninguém sabe o que aconteceu.
Ela se jogou da janela do quinto andar
Nada é fácil de entender.

(Legitião Urbana)

Addelaide!
Minha anã paraguaia
Addelaide, minha anã
Addelaide!
Minha anã paraguaia
Addelaide, minha anã…

(Inimigos do Git)

Che ckou t
Oba oba
Che ckou t
Oba oba
Che ckou t
Oba oba

Checkout, checkout quero checkout
Checkout, checkout quero checkout
Checkout, checkout quero checkout

(Git com Banana)

It’s a kind of merge
It’s a kind of merge
A kind of merge
One dream, one soul ,one prize, one goal
One golden glance of what should be

(Fregit Mercury)

Branch se quis
depois de tudo ainda ser feliz
mas já não há caminhos pra voltar.
E o que é que a vida fez da nossa vida?
O que é que a gente não faz por amor?

(Marigit Monte)

Divirta-se com o conhecimento.

(Eu)

Git é um sistema de controle de versão distribuído

Baseado em fatos reais

Referência de comandos git

Written by Luiz Sanches

junho 22, 2012 at 3:01 pm

Publicado em software

Tagged with ,

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.